sábado, 28 de novembro de 2009

Filme " Love Actually " - O amor acontece


Ultimamente não tenho visto nenhum filme novo que mereça ser comentado, mas hoje ao fazer zapping na televisão deparei-me com este " love actually " ( O amor acontece, na versão portuguesa ) e não resisti, e vi o filme novamente, pela milionésima vez.
É um filme que já tem uns aninhos, mas para uma romântica, como eu, é daqueles filmes que vemos uma vez e outra e de todas elas rimos, choramos...enfim..uma das melhores comédias românticas dos últimos anos, na minha opinião.
Para quem nunca viu, posso dizer que "Love actually " é um conjunto de pequenas histórias que se vão cruzando pontuadas por uma tónica comum: o Amor nas suas mais diversas formas e conteúdos, indo entre momentos bastante  comoventes e outros absolutamente divertidissimos.
Mas curiosamente é na dimensão do exagero que passa por quase todo o filme que reside um dos seus pontos fracos que é, ao mesmo tempo a sua melhor qualidade. É que é inevitável não sentirmos uma profunda afeição a este filme e à sua mensagem do Amor acima de tudo, da quebra de todas as regras, da loucura a que este conduz.
De todas as histórias e personagens neste filme, com um dos melhores elencos dos últimos anos ,destaco sem dúvida as deliciosas cenas entre Colin Firth (espectacular) e Lúcia Moniz ,nomeadamente a aprendizagem do português pelo primeiro, e a apresentação dele à família de Lúcia Moniz; a declaração de amor de Mark (Andrew Lincoln) a Juliet (Keira Knightley), recém esposa do seu melhor amigo. A hilariante cena protagonizada por Rowan Atkinson e ainda o fantástico Bill Nighty, “rocker” em decadência que aspira a um “hit” de Natal apesar do seu passado pôr tudo a perder, para não falar da história protagonizada por Liam Neeson e pela de Hugh Grant.
Um filme repleto de amor que consegue tocar o coração mais duro e muito apropriado para a época de Natal que agora se aproxima.

domingo, 22 de novembro de 2009

Livros " O Ceptro de Aerzis " de Inês Botelho


Hoje venho falar-vos de uma trilogia que li há bem pouco tempo da autoria de uma jovem escritora portuguesa de seu nome Inês Botelho e que me chamou a atenção, não só por ser ficção nacional mas também pela história em si, e estou a falar da trilogia " O Ceptro de Aerzis ".
A escrita é, de facto, acusadora da juventude da autora aquando da execução da obra, mas eu diria que a história prende imenso a atenção do leitor e não o deixa sequer atrever-se a fechar o livro!
Além de que já tinha saudades de ler histórias cheias de magia,viajar a  locais tão bonitos e conviver com personagens belas, sábias e fantásticas como Elfos, Fadas e Gnomos entreoutros
Os livros contam a história de uma linhagem élfica (avó, mãe e filha) contra um "mal" que há muito assombrava aquelas terras encantadas, cheias de magia e seres fantásticos.. Ao longo dos três livros dá-nos a conhecer as três personagens principais de uma profecia, bem como o seu crescimento (pessoal, psicológico e espiritual), aventuras e amores. Aliando uma escrita atraente mas simples, sendo suficientemente descritiva para se ter a noção das situações, sem cair no exagero de dar uma grande seca ao leitor, a autora, tem ainda um olhar critico sobre o mundo em que vivemos, do consumismo, do aqui e agora, e do capitalismo, onde tudo o que interessa são os resultados. Em oposição revela-nos um mundo fantástico, simples e natural, com preocupações ecológicas, onde é exultada a beleza e a essência da natureza e do espiritual.
Tudo que é escrito agora com Fadas e Elfos parece não trazer nada de novo, mas este " Ceptro de Aerzis" conseguiu suplantar isso, na minha opinião.
Assim esta trilogia não sendo um Senhor dos Anéis de Tolkien ou parecido, não deixa de ser uma bela história que vale a pena ler e que nos deve fazer parar um pouquinho para pensar na nossa vida.
Em suma, recomendo!

sábado, 21 de novembro de 2009

Filme " Os Substitutos "


Hoje vi o novo filme de Bruce Willis, " Os Substitutos ". É um filme de ficção-científica assustadoramente semelhante a «I, Robot» de Alex Proyas, passado no ano de 2017,  mas que poderia abrir caminho a um vasto rol de emoções e de questões filosóficas.
Com a evolução da tecnologia são criados andróides capazes de serem controlados individualmente pelo ser humano, apenas através de impulsos eléctricos enviados pelo cérebro. Dessa forma as pessoas podem permanecer seguras, correndo menos riscos de contraírem doenças, sofrerem acidentes, e ainda de superarem adversidades que os limitam fisicamente, como a paralisia. Assim, qualquer indivíduo pode ser quem quiser, tendo ao seu dispor um variado número de modelos que dependerá da capacidade monetária de cada um.No entanto, há um grupo de humanos que se recusa a fazer parte da maioria, e formam um grupo de resistência intitulado ‘Dreads’, liderados por um homem enigmático a quem chamam ‘The Prophet’.
A partir daqui surge o desenvolvimento da história, e onde nos aparece o agente Tom Greer (Willis) e a sua parceira Jennifer Peters (Radha Mitchell), que investigam aquele que poderá ser o primeiro homicídio desde há muitos anos, uma vez que as pessoas deixaram de sair à rua. Ao que parece dois andróides foram destruídos, e os cérebros das pessoas que os controlavam explodiram sem explicação. A investigação leva à procura de um misterioso homem chamado Miles Strickland (Jack Noseworthy), e à ligação de um dos homicídios a Lionel Canter, o criador dos andróides.
Neste filme fica presente a ideia de estarmos a oferecer o controlo das nossas vidas a corporações interessadas apenas no lucro rápido e a de, perante o cenário oferecido, passarmos a gostar mais da vida dupla e segura das réplicas, do que em experienciar as coisas por nós próprios.
Infelizmente estas questões são abordadas de forma superficial, escolhendo antes, como ponto de referência uma arma de destruição maciça que ameaça as réplicas de todos os seres humanos. O filme perde assim densidade dramática, colmatada em parte na brilhante sequência final e no credível drama familiar em que vivem Tom Greer (Bruce Willis) e a esposa Megan (Rosamund Pike).
No fundo o filme é simplesmente mais uma metáfora sobre a forma como as pessoas socializam exageradamente através da internet e das novas tecnologias, e como isso nos afecta verdadeiramente ao ponto de não nos sentirmos bem com a nossa identidade
Achei que não é um mau filme, mas sabe a pouco.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Livro " A linguagem das Pedras " de Robert Carter


Tinha comprado este livro já há algum tempo em saldo e embora o título e a capa me parecessem convidativos a verdade é que o comprei porque o preço era ainda mais apelativo. Sinceramente não esperava muito deste livro, no entanto  até me surpreendeu pela positiva.
Este é o primeiro volume de uma trilogia épica baseada em acontecimentos históricos, na magia da paisagem e em antigas lendas britânicas na linha de Tolkien, Marion Zimmer Bradley e Juliet Marillier.
A Inglaterra está preste a entrar numa era de catastrófica divisão e ruína: a Guerra das Rosas. As pedras verticais que outrora preservavam o delicado equilíbrio da paz estão a incitar os homens à guerra. O alinhamento destas pedras tem de ser organizado em pares de pedras masculinas e femininas, pacíficas e bélicas, de modo a preservar o equilíbrio da Natureza e a igualdade entre os homens. Mas as linhas foram subvertidas ao longo dos séculos, primeiro pelas vias, templos e cidades romanas e agora pela sinistra comunidade "Daqueles Que Não Vêem", cuja religião corrompe os costumes dos povos autóctones.
Enquanto diferentes facções se batem pelo trono e o reino mergulha numa sombria guerra civil, o mágico Gwydion e o seu jovem aprendiz Willand têm de desenterrar as pedras para evitar a destruição sem sentido.
Sem ser necessariamente um grande livro cumpre o objectivo : entretém, tem algumas partes um pouco enfadonhas, mas tem outras que compensam. 

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Livro "Contos da Meia-Noite" de Nora Roberts


Nunca tido lido nenhum livro da Nora Roberts. Não sei como nem porquê, mas ainda não tinha  acontecido e esta semana tentei-me com estes Contos da Meia Noite.
Já me tinham dito que era dos livros mais fraquitos dela e ainda para mais não são apenas contos da Nora Roberts, são 4 autores a escrever 4 histórias diferentes,mas parecia que tinha qualquer coisa fantástico e comecei a ler. No entanto, embora ainda só tenha lido a 1ª história ( a de Nora Roberts portanto) não posso dizer que estou maravilhada.
Se existem livros que pecam por excessiva descrição este parece-me que acontece tudo demasiado depressa, tudo demasiado fácil..e pensar que a história até tinha alguma coisa, mas não me parece que tenha sido aproveitada. Faz-me pensar naqueles contos de fadas para crianças, com enredo muito simples e que não traz nada de novo.
É  no entanto a minha primeira impressão, de qualquer forma deixo aqui a sinopse se alguém se quiser aventurar:
Hora dos Feitiços (Nora Roberts)Um reino é atormentado pela tragédia até que o feitiço de um deus mago faz surgir uma jovem, bela e corajosa, que terá de seguir o seu coração no amor e cumprir o seu destino na guerra...
Espelho Meu (Jill Gregory)Uma curandeira que jurou proteger o herdeiro de um reino conturbado tem de recorrer à ajuda de um cavaleiro ferido e de um espelho mágico...
Amante de Sonho (Ruth Ryan Langan)Numa viagem de negócios à Escócia, uma jovem americana desiludida com o amor é arrebatada pelo romantismo das Highlands – e pelos encantos de um perfeito desconhecido...
Terras da Meia-Noite (Marianne Willman)Ao investigar a história da sua família na Europa, uma americana depara-se com um castelo encantador e com o seu enigmático proprietário, que está convencido de que ela é a chave de uma terrível maldição...

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Crónicas dos Imortais - O abismo- de Wolfgang Hohlbein




Na minha demanda por novos livros de e sobre vampiros, descobri este autor de origem alemã  que aos 15 anos já escrevia histórias e hoje “é tido como um dos maiores autores de entretenimento fantástico mais bem sucedido na Alemanha.

 "O Abismo”, o primeiro volume de “A Crónica dos Imortais” passa-se no Século XV, Transilvânia. A Inquisição escolheu as suas vítimas e apenas um dos rapazes da aldeia, Frederic, conseguiu escapar. Em fuga, cruza-se com Andrej Delaney, um cavaleiro misterioso, também apontado por muitos como um terrível bruxo, perseguido pelo príncipe Drácula. Delaney regressava à sua terra natal para ver o seu filho, apenas para descobrir que toda a aldeia fora brutalmente assassinada. O cavaleiro parte então à procura de vingança com o único sobrevivente Frederic, este respeita-o, mas teme-o. Já o viu atravessar o fogo incólume e sabe que só ama uma pessoa, Maria. 


No segundo volume, “O Vampiro”, Andrej Delaney, prossegue a sua viagem, mas agora com um novo aliado (um pouco à força), o corsário e mercador de escravos Abu Dun. Contudo, também se vêm diante de um novo inimigo, o próprio Príncipe Drácula.



Quanto a comentários e críticas, ainda não li os livros, embora estejam na minha lista.
De qualquer forma fica aqui a sugestão.


Boas leituras!


terça-feira, 3 de novembro de 2009

Livro "Feitiços de Amor" de Barbara Bretton



E para os mais românticos deixo-vos uma nova proposta, cheia de romance, mas também de magia e fantasia.

Feitiços de Amor é um romance encantador e inesquecível sobre o poder do amor e a magia dos sonhos.
Sugar Maple é uma terra encantada habitada por feiticeiras, fadas, vampiros e outras criaturas mágicas. Chloe Hobbs é a única que não tem poderes especiais naquele lugar onde nada é o que parece.
Chloe é a proprietária da Sticks & Strings, uma popular loja de artigos de tricô. Mas é também a última descendente de uma longa dinastia de feiticeiras com o futuro de Sugar Maple nas mãos. Chloe sabe que tem de se apaixonar para receber os poderes mágicos e continuar a proteger a sua terra natal. Mas, aos 30 anos, ainda sonha com o verdadeiro amor e as amigas decidem lançar feitiços para a ajudar a encontrar o homem dos seus sonhos.
O que ninguém esperava era que Chloe se apaixonasse perdidamente por Luke MacKenzie, o polícia destacado para investigar o primeiro crime ocorrido em Sugar Maple e cem por cento humano. Se o amor abre finalmente a porta aos seus poderes mágicos, esses mesmos poderes impedem Chloe de sonhar com um futuro ao lado de Luke…

Livro " O Símbolo Perdido " de Dan Brown

Hoje andei novamente pela feira do livro da Gare do Oriente,( que se mantém até 8 de Novembro, atenção ) e dei de caras com o novo livro de Dan Brown que me encheu as medidas, é que eu sou uma fã deste escritor e já li todos os livros dele e este Símbolo Perdido parece-me que vai ser outro caso de sucesso,por isso reservem já o lugar nas vossas estantes.
Deixo aqui a sinopse para vos aliciar:


"Doze horas alucinantes! O leitor mergulha mais uma vez num mundo de misticismo, sociedades secretas e locais escondidos de uma Washington pouco reconhecida. O que esconde, afinal, a Chave de Salomão? Que mensagens secretas estão codificadas nesse livro misterioso? Robert Langdon, o professor de Harvard especialista em Simbologia, tem apenas 12 horas para o revelar. São horas repletas de intrigas, perseguições e reviravoltas, que a Bertrand edita mês e meio depois da publicação do livro em inglês. É pois o regresso de Dan Brown ao registo que o tornou mundialmente famoso: pictogramas cifrados, mensagens ocultas, símbolos descodificados, "suspense" e acção a um ritmo vertiginoso."